TEDxPorto Fake News TRUST

TEDXPorto: Confiança e Fake News

No sábado passado estivemos presentes na 10ª edição do TEDxPorto, subordinada ao tema “Confiança”.
Na primeira parte da manhã, falou-se de marcas de confiança, investimento e a confiança no propósito no trabalho.

Na segunda parte, algumas das “Talks” vieram de encontro a muitos dos assuntos que nos são mais caros, a começar pela palestra de Alexandre Botão.
O Alexandre é jornalista há 20 anos, fez parte da redação de dois principais jornais do Brasil e veio partilhar connosco factos que todos deveriam ter conhecimento, sobre Fake News.

Fábricas “Fake”

Alexandre começa por nos mostrar como é fácil criar um perfil falso numa plataforma. Ficamos a saber que existem autênticas fábricas de perfis falsos, de likes e até de visualizações de vídeos de Youtube, que funcionam em redes sociais e outras plataformas. Estas têm o objetivo de dar imagem que determinada página tem muitos seguidores – para que mais pessoas a sigam. Um perfil falso numa plataforma, por exemplo, pode dar uma pontuação máxima a um produto, sem ter sido nunca experimentado por quem pontua.

[Este tipo de mecanismo aproveita uma forma de condicionamento que temos: a tendência de “seguir” algo quando vemos que muitas pessoas “seguem”.
Robert Cialdini chama a este efeito de “prova social”. A “prova social” responde à necessidade de obter referências para nos ajudar a decidir, mesmo que venham de desconhecidos.

O problema aqui, é que o que vemos online, pode não ser real.
Cada vez mais o mundo pede, grita, que cada pessoa procure informar-se através de meios isentos. Cada vez mais estamos expostos a dinâmicas movidas exclusivamente por dinheiro, política, poder. É necessário abrirmos os olhos. E confiarmos naquilo que temos certeza ser verdadeiro.]

Notícias que se aproveitam de quem as partilha

Sobre as muito faladas Fake news ou notícias falsas: quem as inicia aproveita-se da facilidade que hoje existe em partilhar informação, mas o seu mecanismo tem contornos especialmente maquiavélicos.

Imagine que alguém pretende manipular a opinião pública. A partir daqui são fabricados textos que, regra geral, promovem as mais variadas formas de intolerância, como o racismo e a xenofobia. Segundo Alexandre, os objetivos de quem promove e constrói as notícias falsas, são: primeiro, enganar-nos (opinião pública); depois, que as pessoas enganadas partilhem a informação com outros. “Não é só um trabalho sujo, eles querem que vocês trabalhem para eles também de graça”, refere o palestrante.

Portanto, estas notícias (falsas) sobrevivem à custa das próprias pessoas que são enganadas. E são capazes de influenciar resultados eleitorais, como sabemos ter acontecido no Brasil e nos EUA.

Estranhamente, se/quando a verdade é reposta, nunca tem tanta atenção, nem partilhas, como a mentira que foi construída antes.

Existem vários serviços que procuram repor a verdade. Em Portugal temos agora o Polígrafo, e lá fora, contamos com os seguintes sites: Lupa, Maldita.es, First draft, Factcheck e Snopes. 

No final da palestra, Alexandre deixou o pedido: “Duvidou? Não partilhe de forma nenhuma. Não partilhe.”

Em breve vamos partilhar consigo mais sobre o que assistimos na TEDXPorto, este ano com Dan Ariely, Zak Ebrahim, Marcos Piagers, Cátia Ferreira e muitos outros.
Se ainda não recebe a nossa newsletter, pode inscrever-se, preenchendo o formulário aqui.

Prometemos que verá apenas e só a nossa visão do evento, sem “fake news”. 😉

Maria Beatriz Costa, Responsável de Marketing e Comunicação 3NCRYPT3D